Total de visualizações de página

sábado, 25 de novembro de 2017

Lição 10 - O Processo da Salvação

Aula Presencial dia 3 de dezembro de 2017


Estimado professor,   acredito que já tenha percebido que nosso SLIDE semanal traz uma abordagem DETALHADA de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se ao conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Baixe o Slide no formato desejado, Tenha liberdade de alterá-lo, Divulgue e Compartilhe !



CLIQUE AQUI PARA BAIXAR SLIDE


CLIQUE AQUI PARA BAIXAR SLIDE










OBJETIVOS GERAL
Explicar que o processo da salvação se dá mediante a justificação, regeneração e santificação. 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1 - Mostrar a natureza da justificação divina;
2 - Explicar o que é a regeneração pelo Espírito Santo;
3 - Compreender que somos santificados em Cristo.

  TEXTO ÁUREO 
"Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele 
que não nascer da água e do Espirito não pode 
entrar no Reino de Deus." (Jo 3.5)

VERDADE PRÁTICA 
O processo bíblico de salvação se dá por meio 
da justificação, regeneração e santificação do ser humano.

PONTO CENTRAL 
O processo da salvação se dá por meio 
da justificação, regeneração e santificação.


HINOS SUGERIDOS DA HARPA CRISTÃ

15 - Foi na Cruz

111 - Que Mudança

177 - Livre Estou




João 3:1-7
1 E HAVIA entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.
2 Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu
3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.
6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
7 Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.



Segunda-Feira –  João 1:12,13 
A experiência do Novo Nascimento espiritual
1 : 12  Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;
1 : 13  Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.

Terça-Feira –  2 Coríntios 5:17 
O Novo Nascimento torna o homem uma nova criação
5 : 17  Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.
  
Quarta-Feira –  1 João 3:1,2  
Quem nasce de novo verá a glória de Deus
3 : 1  Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso o mundo não nos conhece; porque não o conhece a ele
3 : 2  Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos.

Quinta-Feira –   1 Pedro 1:23  
Fomos regenerados pela Palavra de Deus
1 : 23  Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre.

Sexta-Feira –  Romanos 6:11 
Novo Nascimento: mortos para o pecado e vivos para Deus
6 : 11   Assim também vós considerai-vos certamente mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.

Sábado –  Colossenses 3:9 
Despindo-se da prática do pecado
3 : 9   Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos,

                                                   
  
Estimado Professor, indo direto ao ponto, nosso aluno tem que saber responder
todas as 12 perguntas mencionadas abaixo após nossa aula.
Então mantenha o foco da lição, a proposta é explicar o processo da salvação nos três aspectos: Justificação, Regeneração e Santificação.
Estude bem este tema durante a semana, chegue na sala de aula seguro, preparado, com total domínio sobre a Lição.

Seu aluno, não pode ir embora com duvidas sobre as seguintes perguntas:

1 - Como acontece o processo de salvação na vida do crente ?
2 - É possível a pessoa se autojustificar diante de Deus ?
4 - O que é a Justificação e porque temos a necessidade da Justificação ?
5 - O que é o ato de regeneração da pessoa no processo da salvação ?
6 - Regeneração é a mesma coisa que Conversão ?
7 - Porque existe a necessidade da pessoa ser regenerada ?
8 - O que acontece quando a pessoa é regenerada ?
9 - É possível saber se uma pessoa foi regenerada ou não ? 
10 - O que é a Santificação e em que momento se inicia ?
11 - É necessário esforço pessoal neste processo de Santificação ?
12 - É possível ser Santo de maneira absoluta ?

INTRODUÇÃO
O processo de salvação na vida do crente se dá em três aspectos: na justificação outorgada por Deus; na regeneração operada pelo Espírito Santo; na santificação como consequência de uma vida com Cristo. Todo esse processo é alcançado pela fé na crucificação, morte e ressurreição de Cristo Jesus, nosso Senhor.

Dentro da teologia sistemática, Soteriologia é a disciplina que estuda a “Salvação”, ao estudá-la vamos entender o processo da salvação, como ocorre a Salvação do pecador. O comentarista neste estudo destaca que o processo da salvação se dá em três aspectos: na justificação, regeneração e na santificação, mas o que ocorre primeiro ?
Qual é a ordem exata destas operações e aplicações da obra de salvação em cada pecador ? Embora tenha opiniões diferenciadas entre os estudiosos de várias correntes teológicas, há o consenso de que os três aspectos que vamos estudar nesta lição, ocorrem de fato na vida do pecador.

EM QUAL MOMENTO OCORRE A JUSTIFICAÇÃO ? ?
Em Romanos 5:1 diz Tendo sido, pois, justificado pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo.
Somos justificados pela fé, e como vem a fé ?
Em Romanos 10:17 diz De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.
Por esses dois versículos podemos entender que quando o pecador ouve a palavra de Deus através de uma pregação, trabalho evangelístico, ou mesmo através de um hino inspirado por Deus... o Espírito Santo convence este pecador do seu estado miserável, da sua necessidade de Deus, e este pecador passa a crer (ter FÉ) em Jesus, ocorre então o ARREPENDIMENTO, o pecador se arrepende dos pecados, e confessa Jesus como único Senhor e Salvador, chamamos este momento decisivo de CONVERSÃO.

A Bíblia, mostra esta sequência de eventos que ocorre, vejamos:
Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados (Atos 3:19)

Então, ocorre o ARREPENDIMENTO, a confissão dos pecados, a CONVERSÃO (neste momento ocorre a JUSTIFICAÇÃO)

Justificação significa ser declarado justo, ser totalmente justificado diante de Deus. É a nossa posição diante de Deus. A justificação é o que Cristo fez por nós. JUSTIFICAÇÃO se realiza imediatamente, uma única vez e é completa na CONVERSÃO. Isso significa que o crente que acabou de aceitar a Cristo está justificado. (Fonte: mvmportugueses)

I - JUSTIFICADOS POR DEUS

1. A natureza da Justificação.
A justificação evoca a ideia de um tribunal jurídico em que pesam terríveis e verdadeiras acusações contra nós, mas que por meio do sacrifício expiatório e substitutivo de Cristo, se tornaram nulas (Rm 4.24,25). Assim, somos declarados inocentes, pois nossa condenação foi substituída pela pena paga por Cristo na cruz (2 Co 5.21). É um ato gracioso e amoroso de Deus para nós, sem interferência dos méritos humanos, cabendo ao homem somente crer mediante a fé na obra que Jesus operou (Rm 5.1). Entretanto, cabe ressaltar que a fé é o meio instrumental para nos unir a Cristo, o nosso justificador, e não a causa da justificação. Logo, a justificação tem como consequência direta o perdão dos pecados, a reconciliação do pecador com Deus, a segurança da salvação e a santificação da vida.

Pr. Antônio Gilberto (CPAD News) fez a seguinte colocação sobre a Justificação: “Justificação é um termo judicial. Fala de quebra de Lei (1 Jo 3:4). Ele é o ato de transformação ou mudança de estado do pecador, perante Deus, operada por Ele mesmo. A justificação tem caráter exterior. 
Deus é o juiz,
Cristo é o advogado 
homem, o réu.
A transgressão da Lei de Deus é o pecado cometido.”.

2. A necessidade de Justificação.
A necessidade da justificação é para que nos encontremos justos e santos diante de Deus, a fim de que sejamos participantes das bênçãos da salvação e para que o Diabo não acuse o crente dos pecados que Cristo perdoou (Rm 8.33,34). Nesse sentido, a pessoa justificada está livre de condenação e é herdeira da vida eterna, tendo como resultado prático a paz com Deus (Rm 5.1).


Bem sabemos que o diabo é nosso acusador, ele acusa os eleitos do Senhor de dia e de noite (Ap 12:7-11), sem a justificação ficaríamos sem respaldo divino através de Jesus para nossa defesa.
Uma vez que manifestamos nossa fé em Cristo como nosso Salvador pessoal, as acusações do diabo sobre nossa vida cai por terra, porque temos agora a marca do sangue de Jesus Cristo derramada na Cruz purificando-nos de todos os pecados. Cadê nosso acusador ?
Se, no entanto, andarmos na luz, como Ele está na luz, temos plena comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. (1 João 1:7)

3. A impossibilidade da autojustificação.
Os que reconhecem a necessidade de justificação são alcançados por ela. Para ilustrar essa realidade espiritual, o Senhor Jesus ensinou sobre a justificação apresentando a história de um fariseu que se justificava orgulhosamente por evitar certos pecados, mas não alcançou a justificação; enquanto o publicano, que reconhecia a sua miséria diante de Deus, teve os seus pecados perdoados e sua vida justificada (Lc 18.9-14). Nesse aspecto, a justificação não se refere ao esforço humano por pureza ou santidade, mas ao estado de retidão diante de Deus por meio de Jesus, o justo, que morreu tomando sobre si todas as acusações contra nós. Por isso, quando Deus nos olha, após nos tornarmos em nova criação, ainda mesmo com os nossos defeitos e falhas, em Cristo, nos enxerga sem pecado (1Co 6.11). Assim, o pecador é justificado pela graça de Deus somente, jamais por méritos pessoais (Rm 3.21,26,28; 4.5; Gl 3.11).


Dois  versículos que podem ser usados como chave de ouro para concluir este assunto da autojustificação, ou da salvação por méritos, colocando por terra todos falsos ensinos sobre esta temática, são estes escritos do apóstolo Paulo :
porquanto, pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem por intermédio das obras, a fim de que ninguém venha a se orgulhar por esse motivo. (Efésios 2:8-9)
Tendo sido, pois, justificado pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo (Romanos 5:1)

II - REGENERADOS PELO ESPÍRITO  SANTO

1. A natureza da Regeneração.
Regeneração é a ação divina de criar um novo homem, dando-lhe um novo coração, transformando-o em nova criação (2 Cr 5-17), tornando-o filho de Deus (Jo 1.12,13) e fazendo-o passar da morte para a vida (Jo 5.24). Aqui, é importante distinguir regeneração da conversão. Esta é a resposta humana à regeneração no processo de salvação, que é voltar-se inteiramente para Deus; enquanto aquela é um milagre operado por Deus na natureza humana, um fenómeno incompreensível à mente natural (Jo 3.3,7). Logo, Deus é o operador dessa transformação, fazendo com que a pessoa, outrora apática para as coisas divinas, agora se encontre em plena vitalidade para com as coisas espirituais (Rm 8.28-30; Tt 3.5).

2. A necessidade de Regeneração.
Para fazermos parte do Reino de Deus é preciso nos tornar nova criatura e nascermos do Espírito (Jo 3.5) que opera a vivificação em nós, pois Ele é o agente da regeneração. O Espírito Santo faz brotar entusiasmo espiritual e vida abundante (Jo 7.38), onde outrora havia morte, ofensa e pecado (Ef 2.1). É o agir do Espírito pela Palavra que faz germinar vida no coração do salvo (Tg 1.18).

3. Consequências da Regeneração.
É possível verificar se somos regenerados por meio de algumas mudanças que passam a fazer parte do nosso viver: o amor intenso a Deus (1Jo 4.19; 5.1); o amor pelos irmãos (1Jo 3.14); a rejeição das coisas mundanas (1Jo 2.15,16); o amor à Palavra de Deus (51119.103; 1Pe 2.2); o amor pelas almas perdidas (Rm 9.1-3); o desejo de estar em comunhão com Deus e adorá-lo (SI 42.1,2; 63.1; Ef 5.19,20); a vitória sobre o pecado, a carnalidade e as práticas contrárias ao Evangelho (1Jo 5.18; Cl 5.16; 2 Co 5.17); o conhecimento da vontade de Deus (1Co 2.12); o testemunho interior do Espírito Santo atestando nossa filiação ao Pai (Rm 8.16); o intenso interesse de praticar a justiça (1Jo 2.29). Claro que não somos perfeitos e que muitas vezes nos depararemos com a impossibilidade de manifestar essas mudanças o tempo todo, mas substancialmente elas estão presentes na regeneração da pessoa.


EM QUAL MOMENTO OCORRE A REGENERAÇÃO ?

O Comentarista afirmou que é importante distinguir regeneração da conversão, muitos confundem as duas.
Pr. James P. Boyce (Pastor Batista e Teólogo) disse “As duas são intimamente unidas, Não é estranho, portanto, que as duas sejam confundidas”
Melhor definição que encontrei para REGENERAÇÃO e CONVERSÃO que nas minhas buscas :
REGENERAÇÃO : É uma obra divina, uma obra que transforma o coração do homem, por meio da soberana vontade de Deus.
CONVERSÃO : É a atitude de uma pessoa em voltar-se para Deus, tendo uma nova inclinação outorgada em seu coração.

Lendo alguns artigos, muitos colocam que a regeneração ocorre após a justificação, ou seja, ocorre na sequência: Arrependimento, Confissão dos pecados, Conversão. No momento da conversão ocorre a Justificação, Regeneração e Santificação (esta última não é um processo que ocorre de forma imediata como as demais, mais é um aspecto da salvação que a pessoa tem que aperfeiçoar-se continuamente)
Particularmente, acredito da forma detalhada acima ou seja “A Fé precede a Regeneração”, todavia, a quem acredite que a “Regeneração precede a Fé” (doutrina padrão no Calvinismo), baseado em Efésios 2:5 que diz : “... e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos”, afirmam os que acreditam desta forma que Paulo fixa neste versículo o momento que a regeneração acontece. Afirmam que a regeneração acontece quanto “nós estávamos mortos”, regeneração é a primeira coisa que acontece quando o pecador encontra Jesus, até mesmo antes do arrependimento e Fé, justificam que se a regeneração não ocorrer primeiro, não há nenhuma possibilidade de fé.

III - SANTIFICADOS EM CRISTO

1. Uma consequência da salvação.
A santificação é o processo pelo qual o crente se afasta (separa) do pecado para viver uma vida inteiramente consagrada a Deus, desenvolvendo nele a imagem de Cristo (Rm 8.29). É um processo de cooperação entre o crente e o Espírito Santo que se inicia no momento da justificação do salvo, isto é, Deus vê o crente como santo, ainda que a santidade dele precise ser aperfeiçoada (Ef 4.12). No processo de conversão, a santificação é outorgada ao cristão porque Deus o vê santo, separado e amado por Ele, o nosso Pai (Cl 3.12). Nesse sentido estamos firmados em Cristo e os pecados não têm mais lugar em nossas vidas (1 Jo 3.6).

2. Um esforço pessoal.
As Escrituras revelam que devemos almejar e priorizar a santificação (Hb 12.14), pois a nossa natureza pecaminosa insiste em resistir a esse processo (Rm 7.14,21). Deus anela pela santificação dos seus filhos, não por capricho divino, mas porque o pecado nos fere de morte e o nosso Pai de amor não quer ver os seus filhos feridos, mortos no pecado, pois isso contraria sua natureza amorosa. Assim, para sarar a ferida do pecado. Ele enviou o seu filho para nos libertar do pecado a fim de vivermos uma vida santa.

3. O desafio de sermos santos.
Às vezes achamos que podemos ser continuamente bons e santos (1Jo 1.10). Na verdade, a nossa meta deve ser essa, mas não podemos deixar de reconhecer que somos simultaneamente justos e pecadores, ou seja, em Cristo, Deus nos vê absolutamente santos; no entanto, em relação à nossa natureza inclinada ao pecado, nossa santificação sofre revezes (Rm 7.15). Por isso é exigido um esforço pessoal e dependência contínua do Espírito Santo para sermos santos.

CONCLUSÃO
Convêm que os crentes, como pessoas justificadas, regeneradas e santificadas, demonstrem ao mundo perdido, por meio das consequências positivas que esse processo de salvação traz sobre nossa vida, que somente Jesus pode salvar e transformar o pecador.

PARA REFLETIR
A respeito do processo da salvação, responda:

• Quais são as consequências da justificação?
A justificação tem como consequência direta o perdão dos pecados, a reconciliação do pecador com Deus, a segurança da salvação e a santifi­cação da vida.

• Qual é a necessidade da justificação?
A necessidade da justificação é para que nos encontremos justos e santos diante de Deus, a fim de que sejamos participantes das bênçãos da salvação e para que o Diabo não acuse o crente dos pecados que Cristo perdoou.

• Qual é a distinção entre regeneração e conversão?
Regeneração é a ação divina de criar um novo homem, dando-lhe um novo coração, transformando-o em nova criação, tornando-o filho de Deus e fazendo-o passar da morte para a vida. A conversão é a resposta humana à regeneração no processo de salvação, que é voltar-se inteiramente para Deus; enquanto aquela é um milagre operado por Deus na natureza humana, um fenômeno incompreensível à mente natural.

• O que é a santificação?
A santificação é o processo pelo qual o crente se afasta (separa) do pecado para viver uma vida inteiramente consagrada a Deus, desenvolvendo nele a imagem de Cristo.

• É possível ser santo de maneira absoluta?
As Escrituras revelam que devemos almejar e priorizar a santificação, pois a nossa natureza pecaminosa insiste em resistir a esse processo. Deus anela pela santificação dos seus filhos, não por capricho divino, mas porque o pecado nos fere de morte e o nosso Pai de amor não quer ver os seus fi­lhos feridos, mortos no pecado, pois isso contraria sua natureza amorosa. Às vezes achamos que podemos ser continuamente bons e santos (1Jo 1.10). Na verdade, a nossa meta deve ser essa, mas não podemos deixar de reconhecer que somos simultaneamente justos e pecadores, ou seja, em Cristo, Deus nos vêabsolutamente santos; no entanto, em relação à nossa natureza inclinada ao pecado, nossa santificação sofre revezes. Por isso é exigido um esforço pessoal e dependência contínua do Espírito Santo para sermos santos.

BIBLIOGRAFIA
Bíblia Sagrada - Thompson - Edição Contemporânea - Editora VIDA, 2000
Fonte: CPAD, Revista, Lições Bíblicas Adultos, A Obra da Salvação - Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida, Comentarista Pr. Claiton Pommerening, 4 Trimestre 2017.

                              AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÂO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.






                                                                                                                                                                            

                                                                                                                                                                            

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado (a) professor(a), estudaremos a respeito dos três aspectos da salvação: justificação, regeneração e santificação. Veremos que a fé no Filho de Deus e no seu sacrifício nos proporciona a justificação diante de Deus. Depois de justificados, somos regenerados e santificados mediante a ação do Espírito Santo. Sem a atuação dEle não há salvação, justificação nem o processo de santificação.
No decorrer da lição, procure enfatizar que, como crentes em Jesus Cristo, justificados, regenerados e santificados, devemos anunciar ao mundo as virtudes do Reino de Deus mediante a nossa maneira de viver.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
A Justificação
Assim como a regeneração leva a efeito uma mudança em nossa natureza, a justificação modifica a nossa situação diante de Deus. O termo 'justificação' refere-se ao ato mediante o qual, com base na obra infinitamente justa e satisfatória de Cristo na cruz. Deus declara os pecadores condenados livres de toda a culpa do pecado e de suas consequências eternas, declarando-os plenamente justos aos seus olhos. O Deus que detesta 'o que justifica o ímpio' (Pv 15.17) mantém sua própria justiça ao justificá-lo, porque Cristo já pagou a penalidade integral do pecado (Rm 3,21-26). Constamos, portanto, diante de Deus como plenamente absolvidos.
Para descrever a ação de Deus a justificar-nos, os termos empregados pelo Antigo Testamento (heb. tsaddiq: Êx 23.7; Dt 25.1; 1Rs 8.32; Pv 17.15) e pelo Novo Testamento (gr. dikaioõ: Mt 12.37; Rm 3.20; 8.33,34) sugerem um contexto judicial e forense. Não devemos, no entanto, considerá-la uma ficção jurídica, como se estivéssemos justos sem no entanto sê-lo. Por estarmos nEle (Ef 1.4,7,11), Jesus Cristo tornou-se a nossa justiça (l Co 1.30). Deus credita ou contabiliza (gr. logizomaí) sua justiça em nosso favor. Ela é imputada a nós" (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostal. 1 .ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p. 372).

CONHEÇA MAIS
O Processo da Salvação
"A obra do Espírito não cessa quando a pessoa reconhece sua culpa diante de Deus, mas vai crescendo a cada etapa subsequente. [...] No momento da conversão, nascemos de novo, desta vez o nascimento no Espírito. Ao mesmo tempo, o Espírito nos batiza no corpo de Jesus Cristo, que é a Igreja. Instantaneamente, somos lavados, santificados e justificados, e tudo isto mediante o poder do Espírito." Leia mais em Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal, editado por Stanley Horton, CPAD, pp. 424,25.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
Regeneração
regeneração é a ação decisiva e instantânea do Espírito Santo, mediante a qual Ele cria de novo a natureza interior. O substantivo grego (palingenesia) traduzido por 'regeneração' aparece apenas duas vezes no Novo Testamento. Mateus 19.28 emprega-o com referência aos tempos do fim. Somente em Tito 3,5 refere-se a renovação espiritual do indivíduo. Embora o Antigo Testamento tenha em vista a nação de Israel, a Bíblia emprega várias figuras de linguagem para descrever o que acontece. O Senhor 'tirará da sua carne o coração de pedra e lhes dará um coração de carne' (Ez 11.19). Deus diz: 'Espalharei água pura sobre vós, e ficareis purificados... E vos darei um coração novo e porei dentro de vós um espírito novo... E porei dentro de vós o meu espírito e farei que andeis nos meus estatutos' (Ez 36.25-27). Deus colocará a sua lei 'no seu interior e a escreverá no seu coração' (Jr 31.33). Ele 'circundará o teu coração... para amares ao Senhor' (Dt 30.6)" (HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostai. 1 .ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, pp. 369,370).

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
Santificação
A santificação precisa ser distinguida da justificação. Na justificação, Deus atribui ao crente, no momento em que recebe a Cristo, a própria justiça de Cristo, e a partir de então vê esta pessoa como se ela tivesse morrido, sido sepultada e ressuscitada em novidade de vida em Cristo (Rm 6.6-10). É uma mudança que ocorre "de uma vez por todas' na condição legal ou judicial da pessoa de Deus. A santificação, em contraste, é um processo progressivo que ocorre na vida do pecador regenerado, momento a momento. Na santificação ocorre uma cura substancial da separação que havia ocorrido entre Deus e o homem, entre o homem e os seus companheiros, entre o homem e si mesmo, entre o homem e a natureza" (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p. 1762).

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Fonte: Ensinador Cristão – n° 72
Nesta lição, veremos o que Deus faz na vida da pessoa que se arrependeu dos pecados e creu no Senhor Jesus: Justifica, Regenera e Santifica.
Justificação
De condenados, absolvidos; de culpados, declarados inocentes. Mediante a quitação da penalidade integral do pecado por Cristo Jesus, o nosso Senhor, segundo a sua própria justiça, Deus nos declarou justificados. Esse termo refere-se à nossa mudança de situação diante de Deus. É o ato pelo qual o Altíssimo declara os pecadores outrora acusados, culpados e condena­dos, agora livres e absolvidos com base na definitiva e satisfatória obra salvífica de Jesus Cristo operada na cruz. É uma das maravilhosas doutrinas da Salvação que precisa ser pregada, afirmada e reafirmada nos púlpitos e nas classes de Escola Dominical das igrejas locais.
Regeneração
O teólogo pentecostal Daniel Pecota diz que a Regeneração "é o início do nosso crescimento no conhecimento de Deus, na nossa experiência de Cristo e do Espírito e no nosso caráter moral". Após o arre­pendimento e a fé, Deus nos regenera por intermédio do seu Espírito Santo. É o milagre da criação de uma nova natureza interior. É ação do Espírito semelhante ao que profetizou o profeta Ezequiel: "E lhe darei um mesmo coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei um coração de carne" (Ez 11.19). Uma doutrina urgente que deve ser pregada e ensinada. Uma das verdades que os pentecostais sempre enfatizaram é a "mudança de vida" como prova da verdadeira conversão em Cristo. Isso passa obrigatoriamente pelo milagre da Regeneração que leva-nos à santificação.
Santificação
O teólogo pentecostal Timothy P. Jenney, no capítulo "O Espírito Santo e a Santificação", da obra Teologia Sistemática: Perspectiva Pentecostal, editada pela CPAD, diz que "os escritores do Novo Testa­mento empregam tão frequentemente a expressão 'Espírito Santo' por reconhecerem a relevância do Espírito para a santificação do mundo" (p.406). Nesse sentido, podemos conceituar "santificação" como "o processo mediante o qual Deus estápurificando o mundo e seus habitantes". É uma obra continuada a partir da regeneração, numa perspectiva instantânea, pois aplica à vida do crente a obra feita por Jesus; e progressiva, pois a operação do Espírito é permanente. Uma doutrina que deve ser vivida hoje!

                                                                                                                                                                            

5 comentários:

  1. que showwww parabens muitoooooo rico aqui que Deus abençoem

    ResponderExcluir
  2. Irmão, muito rico este estudo, estava procurando deixar mais claro a seguinte questão: Em que momento ocorre a justificação do pecador ? quais são as fases da salvação na vida do pecador ? muito interessante ... acabei de adicionar estes comentários... irmão Johnson dê uma lida, veja se o irmão concorda ! Forte abraço, obrigado por participar !

    ResponderExcluir
  3. professor,

    não se importa que faça uso do seu trabalho em minha aula não né.

    grande abraço na paz de Cristo, do irmão Milton - Ipatinga-MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Milton, pode fazer uso do material que desejar, tenha liberdade, ficamos felizes por utilizar o nosso material. Aguardamos vossa visita sempre ! Forte Abraço, a paz do Senhor Jesus !

      Excluir
  4. Irmao,,,,,....Muito obrigado pelo material.....sou estudante e tudo na faculdade e exibido atraves de power point.....tambem ministro aulas nas classes de escola biblica e facilita muito minha vida esse material....Jesus abencoe esse talent.

    ResponderExcluir