Total de visualizações de página

domingo, 23 de abril de 2017

Lição 5 - Jacó, Um Exemplo de um Caráter Restaurado

Aula Presencial dia 30 de Abril de 2017

Estimados professores,   acredito que já tenha percebido que nosso slide semanal  
traz uma abordagem completa de todos os pontos abordados na lição. É um resumo da lição fazendo uso de uma metodologia moderna de ensino,  tornando-o mais eficiente e efetivo. Aplica-se a todo o conteúdo da lição, ilustrações com figuras relacionadas com cada tópico a ser ensinado.  Faça bom uso !  Divulgue e Compartilhe.



OBJETIVOS GERAL
Mostrar que Deus escolhe pessoas para que cumpram seus desígnios.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1 - Apresentar a origem de Jacó;
2 - Mostrar a direção de Deus na vida de Jacó;
3 - Refletir a respeito de alguns aspectos do caráter de Jacó.
TEXTO ÁUREO
"Como está escrito: Amei Jacó
e aborreci Esaú" (Rm 9:13)

VERDADE PRÁTICA
Com base em sua presciência e propósitos, Deus escolhe
pessoas para que cumpram seus desígnios.

PONTO CENTRAL
Deus escolhe pessoas para que
cumpram seus desígnios.

HINOS SUGERIDOS DA HARPA CRISTÃ

46 - Um Pendão Real

77 - Guarda o Contacto

432 - Consagrado a oSenhor



 Gênesis 25:28-34 
28 - E amava Isaque a Esaú, porque a caça era de seu gosto; mas Rebeca amava a Jacó.
29 - E Jacó cozera um guisado; e veio Esaú do campo e estava ele cansado.
30 - E disse Esaú a Jacó: Deixa-me, peço-te, comer desse guisado vermelho, porque estou cansado. Por isso, se chamou o seu nome Edom.
31 - Então, disse Jacó: Vende-me, hoje, a tua primogenitura.
32 - E disse Esaú: Eis que estou a ponto de morrer, e para que me servirá logo a primogenitura?
33 - Então, disse Jacó: Jura-me hoje. E jurou-lhe e vendeu a sua primogenitura a Jacó.
34 - E Jacó deu pão a Esaú e o guisado das lentilhas; e ele comeu, e bebeu, e levantou-se, e foi-se. Assim, desprezou Esaú a sua primogenitura.

 Gênesis 32:24,27,28,30 
24 - Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um varão, até que a alva subia.
27 - E disse-lhe: Qual é o teu nome? E ele disse: Jacó.
28 - Então, disse: Não se chamará mais o teu nome Jacó, mas Israel, pois, como príncipe, lutaste com Deus e com os homens e prevaleceste.
30 - E chamou Jacó o nome daquele lugar Peniel, porque dizia: Tenho visto a Deus face a face, e a minha alma foi salva.


Segunda-Feira –   Gênesis 27:11,12 
 A mentira traz maldição
27 : 11Disse Jacó a Rebeca, sua mãe: Mas Esaú, meu irmão, é peludo, e eu sou liso.
27 : 12Porventura meu pai me apalpará, e serei a seus olhos enganador; assim trarei sobre mim uma maldição, e não uma bênção.

Terça-Feira –  Gênesis 27:41 
 Quando o ódio se torna mortal
27 : 41  Esaú passou a odiar a Jacó por causa da bênção com que seu pai o tinha abençoado, e disse consigo: Os dias de luto por meu pai estão próximos; então matarei a Jacó, meu irmão.
  
Quarta-Feira –   Gênesis 27:20 
Jacó mentiu ao próprio pai
27 : 20Então disse Isaque a seu filho: Como é que tão depressa a achaste, filho meu? Respondeu ele: O senhor teu Deus a mandou ao meu encontro.

Quinta-Feira –   Gálatas 6:7 
O que o homem planta, isso colherá
6 : 7  Não vos enganeis: Deus não se deixa escarnecer. Tudo o que o homem semear, isso também ceifará.

Sexta-Feira –  Romanos 5:20 
Onde abundou o pecado superabundou a graça de Deus
5 : 20Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse. Mas onde o pecado abundou, superabundou a graça,

Sábado –  Salmos 133:1 
Deus quer que os irmãos vivam em união
133 : 1Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! 

                                                   
TENHA UM BOM ESTUDO !

INTRODUÇÃO
Isaque teve dois filhos gêmeos. Esaú tinha uma inclinação para o campo, para vida pastoril e também para a caça. Jacó, ao contrário, pelo seu temperamento e por sua personalidade, voltou-se para vida doméstica. Logo revelou ter um caráter oportunista e usurpador, que levou a enganar o pai com apoio da mãe. As consequências foram duras em sua vida. O que plantou, colheu com grande sofrimento. Mas a misericórdia de Deus o alcançou e o Senhor o escolheu para ser pai das doze tribos de Israel.

Estimado professor, a vida de Jacó foi marcada por atitudes erradas, turbulências, momentos de fragilidades, todavia, foi uma vida que nos deixou preciosas lições, é impossível não ser edificado quando estudamos e compreendemos a dimensão do que Deus realizou na vida deste homem, que se tornou um dos patriarcas, pai de 12 filhos que se tornaram os cabeças das 12 tribos de Israel. Jacó errou por várias vezes, todavia, o que o fez vencedor, foi o seu interesse pelas coisas espirituais, observou detalhes que agradou muito a Deus.
Existem sinais de que ele sempre demonstrou inclinação pelo sagrado, ao contrário de Esaú, que a Bíblia chama de profano (Hb 12:16).
Enquanto estiver preparando a sua aula, você perceberá que Jacó falou muitas vezes. isso, porém, não o impediu de lutar pela transformação do seu caráter[1]

I - QUEM ERA JACÓ

1. O filho mais novo de Isaque.  Seu nome, em hebraico, é Yakoov e significa "Deus protege". Ele integra a lista dos três patriarcas hebreus, que marcaram a história de Israel: Abraão, Isaque e Jacó. Sua história foi pontilhada de episódios dramáticos desde o seu nascimento. Deus ouviu as orações de Isaque, pois Rebeca era estéril (Gn 25:21). O texto diz que, no ventre, havia uma luta entre os bebês (Gn 25:22). Jacó nasceu agarrado ao calcanhar do seu irmão. Diante disso, o seu nome passou a ter o significado de "aquele que segura pelo calcanhar" ou "suplantador".
Estimado professor, como acabamos de ler Esaú e Jacó eram gêmeos e tinham aparências distintas. Esaú era ruivo e peludo, Jacó era liso (mais adiante veremos que Jacó teve de trapacear neste quesito para enganar seu pai Isaque no momento de se passar como Esaú).

2. O preferido de sua mãe. Isaque tinha preferência por Esaú, por que gostava da caça. Mas Rebeca amava mais Jacó, por ser "varão simples, habitando em tendas" (Gn 25:27,28). Quando Isaque quis dar a bênção a Esaú, o primogênito (Gn 27:1-5), Rebeca, numa demonstração clara do seu caráter astucioso, chamou Jacó e o induziu a enganar seu pai (Gn 27:11,12,14,15). Enganado, Isaque abençoou Jacó (Gn 27:27-29). Ao retornar da caça, Esaú descobriu que seu irmão tomara sua bênção. Desesperado, recebeu do pai uma bênção menor (Gn 27:39,40). Cheio de ódio, planejou matar seu irmão (Gn 27:41). Jacó teve que fugir ameaçado por Esaú. Isaque percebeu que Deus tinha um plano na vida de Jacó, e o despediu com uma bênção profética de grande significado (Gn 28:1-4).

Influência do Caráter dos Pais aos filhos
Rebeca era filha de Betuel, irmã de Labão. Será que Betuel e sua esposa conseguiram formar os filhos com um bom caráter ? Como sabemos Labão enganou de todas as formas possíveis a Jacó, aproveitou que Jacó estava apaixonado por Raquel e propôs um acordo, Jacó deveria trabalhar de graça por sete anos para poder desposar Raquel. Ao terminar os sete anos, Labão o fez casar com Lia ao invés de Raquel,  e então Jacó teve de trabalhar mais sete anos para casar-se com Raquel (mais adiante em Levítico 18:18 veremos que a lei não permite o casamento com duas irmãs). E agora na lição de hoje deparamos com Rebeca ensinando seu filho a enganar o próprio pai, Jacó teve de mentir três vezes ao pai para apossar-se da benção de Esaú. Rebeca influenciou diretamente na formação de mau caráter de seu filho Jacó (oportunista, mentiroso, enganador). Vale lembrar que na Lição 1 foi mencionado que "O Caráter não é herdado. Ele é construído mediante a formação que recebemos".
Vale lembrar também que nem sempre os pais conseguem a formação de bom caráter dos filhos, embora tenham despendido tempo ensinando-os. Quando um pessoa tem mau caráter, as vezes não é culpa dos pais, mas sim, uma livre escolha. É provável que Adão e Eva tenha criado Caim e Abel da mesma forma, vemos que ambos foram ensinados a ofertar para Deus, todavia, Caim e Abel eram pessoas com o caráter distinto, Caim era uma pessoa de mau caráter e Abel era uma pessoa de bom caráter.
Jacó contou três mentiras para o Pai:
(1) Mentiu quando afirmou ser Esaú
(2) Mentiu quando declarou que havia feito como seu pai lhe pedira
(3) Mentiu a Isaque, dizendo que o Senhor tinha trazido a caça a ele rapidamente
Fora as mentiras, também enganou seu pai, passando-se por Esaú, quando aceitou a estratégia de sua mãe e revestiu suas mãos e seu pescoço com pelos, simulando ser seu irmão.

Preferência dos Pais por um filho em relação aos outros filhos
Outra fato que me chama atenção neste tópico desta lição, é sobre os pais deixar transparecido a todos a preferência por um determinado filho. 
O comportamento de Abraão e Sara para com seus dois filhos gerou uma inevitável série de conflitos no lar, pois Isaque não escondia sua predileção por Esaú, e Rebeca por Jacó (Gn 25:28). Essa postura incorreta foi assumida por Jacó quando se tornou pai. Ele tinha preferência por José em relação aos seus outros filhos.[1]
Estimado professor, enfatize aos alunos que isso pode gerar uma série de problemas dentro da família. Olha o que aconteceu com José? Olha o que aconteceu com Jacó?
Ambos tiveram que passar anos fora do convívio familiar em detrimento dos conflitos gerados pelos pais

3. O preferido de Deus. A escolha de Jacó é um caso especial de presciência divina face aos desígnios de Deus. Deus não tem filhos privilegiados, nem escolhe uns para a salvação e outros para condenação, pois tal atitude contrariaria frontalmente o seu caráter santo, justo e bom. Seria uma terrível discriminação por parte de Deus que condena quem faz acepção de pessoas (Tg 2:9; 1Pe 1:17). Mas, em sua soberania, em casos especiais, Ele escolhe pessoas para serem instrumentos de sua vontade diretiva. Jacó foi um desses escolhidos, ainda no ventre (Rm 9:9-13).

II - A DIREÇÃO DE DEUS NA VIDA DE JACÓ

1. A visão da escada que tocava o céu. Em sua fuga, no meio do deserto, Jacó teve um sonho dado por Deus. Ele viu uma escada posta na terra, cujo topo tocava nos céus, e os anjos de Deus subiam e desciam por ela. E Deus reiterou a bênção que lhe prometera (Gn 28:13-15). Deus não aprovou seus arranjos e enganos, mas também não retirou a bênção prometida a seus pais. Naquela noite, ele descobriu a presença de Deus, que se apresentou como o Deus de Abraão e de Isaque. Ele ouviu Deus reiterar suas promessas e descobriu que onde Deus está, ali é sua casa, "a porta dos céus" (Gn 28:13-17).
Tal escada indica que o altíssimo não perdeu o contato com a terra nem o interesse por ela. Deus continua a mostrar zelo para com o homem, apesar de suas fragilidades e seus fracassos. O Senhor tem tomado todas as providências para que a humanidade estabeleça sua comunhão com Ele, essa é uma das razões fundamentais da vinda de Jesus a este mundo.[1]
Esaú foi descuidado e desinteressado com o seu direito de primogenitura, o que lhe garantiria muitas bençãos materiais e espirituais. Pense bem, negociou sua primogenitura por um guisado de lentilhas (Gn 25:29-34) mesmo sabendo que o Senhor prometera fazer de Abraão uma grande nação. Esaú pode ser comparado com os cristãos que não dão valor as bençãos espirituais e a sua salvação. 
E ninguém seja fornicário, ou profano, como Esaú, que por um manjar vendeu o seu direito de primogenitura (Hebreus 12:16).
Quando o cristão despreza privilégios espirituais para satisfazer seus desejos e ambições esta cometendo o ato profano, ou seja, esta violando a santidade de coisas sagradas.
A escada que Jacó viu também pode ser entendida como uma alegoria que aponta para o fato de o mundo espiritual ser composto principalmente de progresso e de disciplina, não de mera euforia, imediatismo e automatismo. Ele não sonhou com um elevador, que poderia conduzir uma pessoa automaticamente do primeiro ao vigésimo andar, privando-a de experiências com Deus e gastar a nossa energia na subida de cada um dos muitos degraus que nos levarão à comunhão com o Senhor e ao ponto culminante do plano de Deus para nós.[1]

Os Direitos do Primogênito
Esaú trocou sua primogenitura por um prato de lentilhas, porque estava com fome e não soube esperar um pouco mais pela provisão do Senhor. Esaú desprezou a sua herança, vendeu o seu "direito de primogenitura". A primogenitura dava a ele o direito de :
a) Liderar a adoração a Deus e chefiar a família
b) Dupla porção da herança paterna (2/3 da fazenda_
c) Direito à benção do concerto, conforme Deus prometera a Abraão.
Mas no ímpeto do cansaço e da fome, ele não teve o autocontrole, o domínio suficiente para dizer "não" a uma necessidade momentânea, e desprezou bênçãos espirituais por um guisado vermelho (Gn 25:29,30)
(Pr. Adão de Santana - IEAD Mongaguá/SP- publicação no Facebook)


2. A coluna em Betel. Jacó não buscou a Deus, mas Deus o buscou, e se revelou como o Deus de seus pais. Uma prova do quanto a graça de Deus é profunda. Sem dúvida, a história de Jacó se divide em dois períodos. Antes de Deus encontrá-lo e depois daquele encontro especial. Tão impactante na sua vida foi aquele episódio, que ele chamou aquele lugar deserto de Betel, que significa "Casa de Deus". Ali, naquela madrugada, Jacó ouviu Deus lhe falar; sentiu a presença divina e teve uma mudança extraordinária em sua vida.

Experiências que Amadureceram Jacó - Sua chegada em Harã.
Talvez nunca se consiga imaginar o impacto que aquela primeira noite de viagem rumo a Padã-Arã causou à vida de Jacó. Ao despertar de seu sonho, ele decidiu mudar o nome do local onde se encontrava. Até aquele momento, o nome daquela cidade era Luz, mas Jacó declarou que o lugar se chamaria Betel (Gn 28:19), que significa Casa de Deus.[1]
Vivendo entre duas pátrias
O segundo período da vida de Jacó diz respeito à fase em que ele morou com Labão, em Padã-Arã, uma planície nos arredores de Harã (Turquia). O fato de ele haver usurpado a bênção de seu irmão fez com que Esaú nutrisse ódio por ele. Rebeca, a mãe dos dois, decidiu orientar Jacó a fugir de casa e a dirigir-se para a terra de seus parentes, em Harã (Gn 27:42-45). [1]
Na casa de seu sogro
Facó foi muito amável quando se encontrou com os pastores de seu futuro sogro. Ele amou Raquel desde o primeiro instante. Labão, pai de Raquel, recebeu-o amigavelmente em sua casa e, durante um mês, Jacó foi tratado como um ilustre visitante. Em seguida, Labão lhe propôs um salário como recompensa pelo seu trabalho (Gn 29:1-15). [1]
As filhas de Labão
Jacó trabalhou sete anos para que Raquel lhe fosse dada a ele como esposa. Contudo, depois de todo esse tempo de trabalho, Labão enganou Jacó entregando-lhe sua filha mais velha, Leia (ou Lia), como esposa. Porém, tal era o amor de Jacó por Raquel que ele decidiu trabalhar mais sete anos por ela (Gn 29:18-30). [1]
Vejamos aqui estimado professor, o enganador sendo enganado, pagando o preço do seu passado negro, o que você planta você colhe, leve seu aluna a esta reflexão.
A Bíblia menciona que Deus abençoou Jacó poderosamente enquanto ele esteve na terra de seu sogro. Ele permaneceu nela até o tempo de retornar à Terra da Promessa.[1] E eis que chegou o dia de Jacó voltar para a casa de seus pais (Isaque e Rebeca), para tal teria que ter um encontro com Esaú e acertar as contas de seus erros do passado.
Jacó e seus novos encontros com Deus
O relacionamento de Jacó com Labão parece ter deteriorado aos poucos, passando a ser profundamente inviável. Depois de alguns anos, o patriarca desejou partir.
A Bíblia confere muita importância ao significado do nome de uma pessoa. Nos registros bíblicos, Deus mudou o nome de alguns de seus servos. 
No caminho de volta ao passar pelo Vau de Jaboque, Jacó se encontrou com um anjo. Foi uma noite marcante para aquele que, ao romper da alva, teve seu nome definitivamente mudado para israel (Gn 32:24-30).
Uma vez que o Senhor mudou o nome de Jacó para Israel, os judeus não se chamam jacobitas, mas israelitas.[1]
O Fim da Vida de Israel
Jacó, ou agora Israel, retornou de Betel por ordem de Deus (Gn 35). A mudança de se nome foi confirmada e, um pouco mais tarde, já em sua velhice, ele viajou para o Egito (Gn 46:6). Deus permitiu a Jacó viver o suficiente para contemplar seu filho José no exercício da alta liderança administrativa do Egito. Ele presenciou aquilo que José havia sonhado antes de ser vendido como escravo por seus irmãos, pois Deus é absolutamente fiel (Dt 7:9).

III - ASPECTOS DO CARÁTER DE JACÓ 

1. Antes do seu encontro com Deus. Até o encontro com Deus em Betel, ele era apenas um "homem natural", ou carnal (1Co 2:14). Naquela fase de sua vida, podemos ver alguns aspectos negativos de seu caráter.
a) Oportunista e egoísta. Quando seu irmão chegou com fome e lhe pediu para comer do seu guisado, ele poderia ter-lhe oferecido de sua comida, compartilhando sua refeição. Mas, numa prova de oportunismo e ambição, disse logo: "Vende-me hoje a tua primogenitura" (Gn 25:31).
b) Interesseiro e calculista. Jacó era frio, calculista e de temperamento fleumático. Além de propor a troca da primogenitura ao irmão, exigiu que Esaú fizesse um juramento que lhe garantisse que a troca seria respeitada por toda a vida: "Então, disse Jacó: Jura-me hoje. E jurou-lhe e vendeu a sua primogenitura a Jacó" (Gn 25:33; Hb 12:16). Ele só esquecia uma coisa. O que ele estava plantando em sua juventude haveria de colher mais tarde (Gl 6:7). Em proporção muito maior.
c) Mentiroso e enganador. Com seu caráter fraco e leniente, concordou com a sua mãe em enganar o velho pai. Ao chegar à presença de Isaque, mentiu três vezes. Este perguntou: "Quem és tu, meu filho?". Ele disse que era Esaú (Gn 27:19). A primeira mentira. Indagado porque chegara tão rápido com a caça, mentiu a segunda vez, dizendo: "Porque o Senhor, teu Deus, a mandou ao meu encontro" (Gn 27:20). Ao abraçar Jacó, Isaque repetiu que era Esaú - "Eu sou" (Gn 27:24). Mentiu pela terceira vez.
Nossa sociedade está impregnada de mentiras (II Tm 3:13). Nesta hora a Igreja tem que lembrar das palavras do Mestre: 'Vós sois o sal da terra" (Mt 5:13). Jesus ao se referir à mentira diz que ela tem por pai o diabo (Jo 8:44). Quanto à sentença dos mentirosos a Bíblia diz que o destino deles será o lago que arde com fogo e enxofre (Ap 21:8). (Revista Betel Dominical - Pr. Lourival Dias neto - Lição 11 - 2002 - 1T -pag. 48).

Quando encontramos com Deus, Ele faz uma redenção do nosso caráter moldando-o segundo a sua Palavra, todavia, infelizmente "A conduta ética geral dos cristãos varia muito pouco em comparação com os não-cristãos, com grandes exceções, é óbvio. Tristemente, os cristãos são quase idênticos aos não-cristãos: falsificam sua declaração de imposto de renda; cometem plágio, colam (os professores, especialmente, conhecem isto); subornam a fim de conseguir uma licença para construir - afinal, é assim que as coisas são feitas; ignoram as especificações de construção; copiam programas de computador ilegalmente; roubam tempo; praticam o "furto telefônico"; dizem aos outros o que estes gostariam de ouvir; obedecem apenas às leis que lhes interessem, seletivamente"
(Disciplinas do Homem Cristão, CPAD, pág.134)
Já ouviu alguém dizer: "prefiro fazer negócios com pessoas ímpias do que com crentes", eu particularmente já ouvi muitas vezes, e o mais grave, alguns irmãos de igreja não fazem negócios com irmãos da própria Igreja, não tem confiança.
Misericórdia! Será que dentro das igrejas existem muitas pessoas com o caráter deformado? Em nossas orações precisamos pedir para Deus renovar e fazer uma restauração espiritual no meio do seu povo.

2. Depois do seu encontro com Deus. Observe a transformação no caráter de Jacó:
a) Um caráter agradecido. Jacó passou a ver as coisas numa perspectiva espiritual de um novo relacionamento com Deus, e lhe fez um voto, dizendo que se Deus não lhe deixasse faltar nada, levantaria um altar e daria o dízimo "de tudo" (Gn 28:20-22). Neste fato, vemos que Jacó tinha consciência do valor do dízimo, como expressão sincera de gratidão a Deus, a exemplo do que fizera seu avô, Abraão, perante Melquisedeque (Gn 14:18-20). Ele não prometeu dar o dízimo do que lhe sobrasse (da "renda líquida"), mas "de tudo" como seu avô fizera (Hb 7:2).

Dizímos
Sempre falo para meu alunos: Sou prova viva de que aquele que é fiel na prática dos dízimos e das ofertas é abençoado, mesmo durante a fase do deserto Deus envia a provisão dos céus, todavia ensino eles ficarem com o texto do Apóstolo Paulo que diz: "Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria (2Co 9:7).
Outra coisa que gosto de deixar bem claro é o propósito do dízimo:
Propósito do dízimo na AT - O dízimo de Israel era entregue para o sustento dos levitas (Nm 18:21) e dos sacerdotes (Nm 18:28), para ajudar nas refeições sagradas (Dt 14:22-27) e para socorrer os pobres, os órfãos e as viúvas (Dt 14:28,29).
Propósito do dízimo no NT - Promoção do Reino de Deus e ajuda aos necessitados (1 Co 9:9-14; Gl 2:10).
(Revista Lições Bíblicas - CPAD - 1T 2012 - Lição 9 - pág,65 - Pr. Antonio Gilberto)
Uma vez que entregamos nossos dízimos e ofertas, aqueles que administram a área financeira da Igreja um dia dará conta a Deus do seu uso, não cabe a nós questionarmos, fazermos pré-julgamento, fazer uma "auditoria" para saber se estão fazendo bom uso e se estão usando o dinheiro dentro dos propósitos estabelecidos. Muitos Pastores vivem uma vida de luxo de dar inveja em muitos empresários de sucesso, alguns não querem andar mais de carro de luxo agora querem voar de helicóptero. Outros não querem mais viajar em avião comercial, investem o dinheiro na compra de um jatinho em nome da igreja. Entenda que todos darão conta a Deus de seus atos e de suas responsabilidades.
Os dízimos e as ofertas, por conseguinte, devem ser trazidos a Deus não como uma penosa obrigação; devem ser entregues como um ato de ações de graças. Não agiam assim os santos do Antigo e do Novo Testamento?  Mostremos, pois, ao Pai toda a nossa gratidão; ofertemos não para sermos abençoados, mas porque já fomos abençoados. O ofertar faz parte tanto do nosso culto público como individual.
(Revista Lições Bíblicas - CPAD - 2T 2008 - Pr. Antonio Gilberto - Pág.55)

b) Um caráter esforçado e sofredor. Ao chegar à casa de Labão, seu tio, revelou-se um homem trabalhador. Ali, começou a colher o que semeara em engano e mentira. Na "lua de mel", foi enganado pelo sogro. Em lugar de casa com Raquel, teve de casar com Leia. Só depois, casou com a amada, e para tanto, trabalhou "outros sete anos" (Gn 29:21-30). Não foi apenas esse o preço que Jacó teve que pagar por sua vida de enganos e mentiras. Labão mudou o seu salário dez vezes, durante vinte anos (Gn 31:7). O que o homem semeia, isso é o que colhe (Gl 6:7).
c) Um homem na direção de Deus. Depois de ser enganado pelo sogro, Jacó reuniu sua família e fugiu de Harã. Mas não o fez apenas por medo do sogro. Sua saída de Harã foi por direção de Deus (Gn 31:3,13). Desse modo, Jacó empreendeu a fuga com a família, e logo foi perseguido pelo sogro. Este não pôde lhe fazer mal, porque Deus entrou em ação e lhe determinou que não falasse com Jacó "nem bem nem mal" (Gn 31:24).

3. No seu encontro com Esaú. Ao se aproximar de Seir, onde seu irmão vivia, Jacó enviou mensageiros a Esaú, anunciando seu retorno. Os mensageiros voltaram e disseram que Esaú vinha ao seu encontro com quatrocentos homens. Jacó temeu grandemente (Gn 32:7-12). Mas, no Vale do Jaboque, teve um encontro que marcou o resto da sua vida. Seu nome foi mudado para Israel, e viu Deus "face a face" (Gn 32:22-30). Ao encontrar Esaú, reconciliou-se com ele e o abraçou com perdão e amor.

CONCLUSÃO
Em suas experiências com Deus, vemos que Jacó teve seu caráter transformado. De oportunista e enganador, passou a ser humilde, sofredor, paciente, longânimo, altruísta. Foi pela sua paciência e graça que Deus escolheu Jacó, em lugar de Esaú. Quando damos lugar ao Espírito Santo, Ele nos transforma radicalmente o caráter.

No Antigo Testamento, Deus se apresenta como Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó. No simbolismo mais específico, Abraão é uma figura do Pai, pois esteve pronto para sacrificar seu próprio filho. Isaque é uma figura de Jesus, por haver sido chamado de filho da promessa. A vida de Jacó aponta para o Espírito Santo, aquele que trabalha com paciência e determinação na vida do homem, até que este experimente a genuína transformação espiritual.
Jacó nasceu como suplantador, mas morreu como Israel, príncipe com Deus. Podemos resumir sua vida em uma simples frase: nasceu lutando, viveu suplantado e morreu adorando. Bendito seja, pois, para sempre, o Deus de Jacó.[1]

PARA REFLETIR
A respeito de Jacó, um exemplo de caráter restaurado, responda:

Que significa o nome Jacó?
"Aquele que segura pelo calcanhar" ou "suplantador".

Por que Esaú aborreceu a Jacó?
Por causa da bênção que seu pai deu a Jacó por engano.

Quantas vezes Jacó mentiu a seu pai por ocasião da bênção?
Três vezes.

O que Jacó prometeu a Deus se fosse abençoado em sua viagem?
Dar o dízimo de tudo.

Que aconteceu com Jacó, no vau de Jaboque?
Seu nome foi mudado para Israel, e viu Deus "face a face".

BIBLIOGRAFIA
Bíblia Sagrada - Thompson - Edição Contemporânea - Editora VIDA, 2000
[1] Revista Lições da Palavra de Deus - Central Gospel - Pr.Geziel Gomes - Lição 6 
[2]Fonte: CPAD, Revista, Lições Bíblicas Adultos, O Caráter do Cristão - Moldado pela Palavra de Deus e provado como ouro, Comentarista Elinaldo Renovato, 2 Trimestre 2017.

                                  AGORA VAMOS A VÍDEO AULA SOBRE ESTA LIÇÂO.  TENHA BOM ESTUDO !                             
Antes de Assistir os vídeos, se a radio do site estiver tocando, suba a página até a radio e 
toque no vídeo da musica que estiver tocando para interromper o som.




                                                                                                                                                                                     
[     

Olá, estimado professor, segue abaixo material de apoio que o mesmo possa adicionar mais conteúdo para a sua aula. Bom Estudo !

                                                                                                                                                                                     

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Na lição deste domingo, estudaremos a respeito do caráter de Jacó. Ele nasceu agarrado ao calcanhar de seu irmão primogênito e recebeu o nome de "enganador". Todavia, Deus em seus desígnios já o havia escolhido e revelado aos seus pais que o primogênito serviria ao caçula. Jacó fez jus ao seu nome ao comprar a primogenitura de seu irmão e ao mentir e enganar seu pai. Seu engano e mentira levaram-no para longe de casa e fez com que ele também fosse enganado por seu tio Labão. Mas Jacó teve um encontro com Deus e foi transformado por Ele. Todo encontro com Deus é transformador. Ninguém sai da presença da Pai da mesma maneira que entrou. Atualmente, muitos apenas ouviram falar a respeito de Deus, mas na verdade nunca tiveram um encontro real e pessoal com Ele. Somente Deus, o criador, pode transformar o nosso verdadeiro "eu".

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
"Abraão, Isaque e Jacó estão entre as mais importantes pessoas do Antigo Testamento. Isto não se deve ao seu caráter pessoal, mas ao caráter de Deus. Eles foram homens que conquistaram o respeito relutante e até mesmo o medo de seus colegas. Eram ricos e poderosos, e ainda assim, os três foram capazes de mentir, enganar e agir com egoísmo. Eles não eram os heróis perfeitos que poderíamos ter esperado; em vez disso, eram exatamente como nós; tentavam agradar a Deus, mas não conseguiram." 
(Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD.p.56).

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
"Jacó fazia tudo, o certo e o errado, com grande zelo. Ele enganou seu próprio irmão Esaú, e seu pai, Isaque. Ele lutou com Deus, e trabalhou catorze anos para se casar com a mulher que amava. Por intermédio de Jacó, aprendemos como um forte líder pode, também, ser um servo. Também vemos como ações erradas sempre voltam para nos perturbar. Depois de enganar Esaú, Jacó correu para salvar sua vida, viajando mais de 640 quilômetros até Harã, onde vivia seu tio, Labão. Pelo caminho, ele recebeu uma mensagem do Senhor, em um sonho, e deu a esse lugar o nome de Betel. Em Harã, Jacó se casou e iniciou uma família" (Extraído da Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD.p.58)

CONHEÇA MAIS
* "Jacó
Era o terceiro no plano de Deus para iniciar uma nação descendente de Abraão. O sucesso deste plano se deu mais 'apesar de' do que 'em razão da vida de Jacó. Antes de Jacó nascer, Deus prometera que seu plano se desenvolveria através dele, e não de seu irmão gêmeo, Esaú. Embora os métodos de Jacó nem sempre fossem respeitáveis, suas habilidades, determinação e paciência tinham de ser reconhecidas. Ao acompanharmos sua vida desde o nascimento até à morte, vemos a mão de Deus trabalhando". Para conhecer mais leia, Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal,p.46.

                                                                                                                                                                                      

Nenhum comentário:

Postar um comentário